terça-feira, 24 de setembro de 2013

diálogo com quintana


sou desses poemas sem destino
com um pires na mão
perdido nessa imensidão de gente
despercebida
despercebido
que não se iludam os que atravancam o caminho
porque ainda pulsa
esse coração de passarinho