sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

so para relembrar

avenida francisco morato
é testemunha desse ensaio
não aponto dedos sem motivo
não guardo beijos por devoção
não estive em moçambique
não aprendi a te esquecer
continuo vadio
só não me fiz puta por dinheiro
nem por testamento
meus acordos são desacordos
a minha rima
rima com se foder
não me conformo/não vou pra casa
com um nó na garganta
a minha estrada não te cabe
pois não te cabe a minha lua
meu amor eu não sou louco
adjetivo sonhador
pedras na lagoa matam tubarões
brasília nada arranha
sou filho de tereza
e inimigo do capeta
estou longe de ser santo
punheteiro de mão cheia
o meu silêncio não tem preço
cortesia o meu escracho
nunca fui mal humorado
não fico sorrindo como um retardado
me prove que 1 + 1 é 2
e tudo fica em paz

domingo, 27 de novembro de 2011

não se esqueça das rosas amarelas

foi a sua mão em meu ombro
o suficiente
para me fazer esquecer o recinto
quando eu já queria ir.
elthomar o meu amor não tinha cantado
não vi quando terminou
minhas mãos tão ousadas
chegaram ao seu rosto
o que não premeditei 10 meses atrás
ontem foi 07
que foi 10
que não chegou a se cumpri a promessa
naquela noite de sábado sem padres e testemunhas
os seus cabelos ainda traçam mapas em minha sina
enquanto as linhas das minhas mãos
orientam a igreja da rosa amarela
jânio o meu herói foi jurandir
quando eu já não poderia chegar aí.
01 buquê de rosas amarelas no lixo

ação

sábado, 19 de novembro de 2011

cabe tudo numa mão em concha

e de repente descubro que não tenho mais vinte e um anos, que não tenho como reverter o quadro fator tempo e corrigir os erros que até então me eram de prazeres. não que deseje hoje deixar de ser torto, mas nessa manhã em que o sol não apareceu, senti saudade das luzes que não colori. não necessariamente precisava ter prismas, apenas queria que tivessem existidos esses instantes. debruçado sobre a janela do porão da minha cabeça, vou olhando ao longe  lugares e pessoas onde não cheguei, onde não vivi e onde não deixei marcas. não desenho uma frustração, apenas um esboço para pensar no que perdi. cabe tudo numa mão em concha. as realizações e o saldo. o meu sapato de bico quadrado quase virgem em ser feliz deixou por essas avenidas, tão pouco pó quantas tão poucas lembranças, deles. cabe tudo numa mão em concha. apenas queria conseguir dormir sem precisar deixar a tv ligada em alto volume.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

à francesa

era você saindo e não percebi
não ouvi o bater da porta
na lama do quintal de ontem
nem pegadas ficaram pela manhã
mais sutil que a sua chegada
foi a sua saída
moça, não sabia que é francesa
não sei se foi bom o ruim
o bilhete que você não deixou
caído pelo chão
por sorte não tenho portas ao fundo
por sorte não tenho muros também
apenas mãos abertas
e um jardim que não tem fim.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

coisinhas de ontem

para renato russo

a era dos galhos
sorrisos
a era das folhas
olhares
a era da sombra da copa
o vulto
a era da grama
os corpos.
na pele do tronco
o entalhe da promessa
no silêncio da noite
o beijo
nas folhas do caderno
as iniciais
na canção de pensar no outro
tim maia
por debaixo da porta
a carta
...
e era para ser para sempre
mas o sempre sempre acaba.

sábado, 29 de outubro de 2011

oração para os novos dias

para lorena ely pereira barbosa  


do meu degrau de todas as tardes
olhos além de fronteiras
onde não á muros, a vida
cantamos então para quebrar os muros.
o meu pé esquerdo sonha com a esquina

o direito apenas sorri
bendita a loucura
so essa para salvar o mundo.
deixe a sua voz equilibrar o meu eixo.

Se encontrarão todos os homens no céu?
se depender de asas não irei
pois não me cabem como pecador
não entendo o porque de anjo não ter sexo
se numa cama é tão divino, imagina nas nuvens?
quero mesmo é ser um anjo vagabundo
a desencaminhar anjas com nuvens pubianas.
do outro lado da rua

uma gestante
sem perceber motiva os meus dias
desce tão linda e não conheço.

vem lorena, sente-se aqui
maiakovski te chama

cante uma canção pra mim.

sábado, 22 de outubro de 2011

Província da selva de pedra


06h
o amante pula o muro da casa vizinha
07h
Geme a porta da casa vizinha
08h
Um salto alto se despede da casa vizinha
09h
Um carro estaciona na casa vizinha
10h
O telefone toca na casa vizinha
11h
Risadas ecoam na casa vizinha
12h
os malditos falam em voz baixa

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

esboço para sonhar grande

a flor – no barranco
o sorriso – no tranco
o convite – no banco

o olhar – no bolso
a mão – na carteira
o encanto – na grife
nãonosjoguedaponte
a lua – que nos come
uma canção – o gozo
um esbarrão – eternidade
o vinho – uma chance
para sempre – o hibisco
meu amor – nos encontramos na esquina.
levando um dedo de prosa com Deus...

terça-feira, 11 de outubro de 2011

23h59m

                                          para SamPri

há 01 gosto de blues
na saliva do teu beijo
todos os desejos
no infinito dos meus olhos
há 01 canto que te chama...
batepulsagrita

sábado, 10 de setembro de 2011

01 segundo

não rezo as cartilhas
não dou pilhas
não dou bola
não caminho em linhas retas
não sou daqui
sou de lá
não sou assim não sou assado
sou cru
relógio para decorar o pulso
ou a parede.
ana tic
ítalo tac
luã tic
ana tac
ana tic
maíni tic tac tic tac tic tac tic tac...
não há carnaval maior que o silêncio
dos inteligentes
não há temas no meu enredo
e sim uma moça nua.
não tenho nada de santo
nem alado sou
saudade das fechaduras de antigamente.
nasci para desatino
sem parafuso na cabeça
não há giros no moinho
nem herói na currutela.
eu'sentado'na'beirada

sábado, 27 de agosto de 2011

tereza não se lembrou

as datas que nunca me prenderam
nunca me pegaram
essa noite me venceram.
35 agostos com gosto 34.
hoje 35
com carinho o beijo e o abraço
de tantos os amigos
coloridos
brancos, afros
tereza não ligou.
tereza não se deu conta
desse 24 de agosto
de leminski, de felix, de senne
de jurandir
tereza não se lembrou.
pela 1ª vez tereza não se lembrou.
tereza criança não ligou
não beijou
não deu colo esse dia.
tereza não se lembrou.
alzaimer (alzaimer)
tereza não se lembrou.
24 de agosto e tereza não se lembrou.
maldito alzaimer
maldito alzaimer
tereza não se lembrou.
pergunto sobre o dia
tereza sorrir banguela tão linda
não sabe dizer
mas pergunta porque.
so para dizer que te amo tereza.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

dentro de mim, nós!

dentro de mim
cabem ainda
todos os dias que não vivemos juntos
e minhas narinas
guardam o cheiro da sua intimidade
dando sentido aos meus dias.
dentro dos meus lábios
cabem ainda todos os beijos não dados
assim como em meus olhos
cabem apenas o seu retrato.
dentro das minhas mãos estendidas
cabem todo o destino que quero dividir contigo
sem olhar para trás.
no meu corpo de 1.90
cabe tão perfeitamente o seu 1.60
que nem de salto você precisa
para ficar do meu tamanho.

domingo, 7 de agosto de 2011

+ que antropofágico

(para paloma brunet)

há 01 vinho
por essas avenidas de são paulo
que ainda não tomei
nem me perdi na beira de um abismo
dentro do seu corpo pela ribanceira.
não sou poste
não sou placa
não trago nenhuma informação
que contenha o tamanho do meu tesão
enquanto desvendo
a minha direção.
não sou poste
não sou placa
nenhum sinal retratando o meu tesão.
avenida 09 de julho e nenhum vinho
na cabeça
nas cabeças
apenas um desejo
além de antropofágico
de te encontrar na ribanceira.
rola beibi sobre mim
keroauc cantarola quintana em meu ouvido esquerdo
no direito geme sem pudor menina.
há 01 vinho na margem do abismo.

sábado, 9 de julho de 2011

manhã de terça feira


os dias
não são senhores de mim
me  envelhecem a carne
não me cansam a alma.
os dias são de terror
para quem tem medo da vida
e não é feliz por ser quem é.
envelhecer não me aterroriza
medo tenho mas bem poucos,
me perder dos olhos de tereza
não existir para os meus filhos
e os meus lábios se esquecerem
do calor do seu beijo
naquela manhã de terça feira.
maíni,
aquele beijo foi numa manhã
de terça feira.

domingo, 26 de junho de 2011

esse tempo para escrever

nas noites em que não estou contigo
nos dias em que não lhe tenho
ainda assim continuo a escrever
quando muitos já teriam desistido.
qualquer papel em branco traz a mim
todo o seu perfume
e sem me dar conta, algum poema surge.
vazio apenas quando a caneta ou o lapis
não se encontram em minha mão.
e quando escrevo sinto o meu nariz e lábios
entre o teu seio
e seus mamilos a me roçar pela face.
avistar uma caneta e papel qualquer
é a oportunidade de fazer amor, de novo,
contigo.
é a oportunidade de ter o seu sexo devorando o meu.
quando e enquanto escrevo
não estou só
não sinto frio
e a saudade cede lugar para a sua presença.
egoísta sim e tranquilo pois,
é quando escrevo que tenho você para mim, so para mim,
de novo.
enquanto escrevo vem-me o retrato da sua cara feliz e assustada
com esse poeta tarado. e por você. e apenas por você.
enquanto escrevo, desenho os momentos que vivemos
os momentos que não tivemos
e desenho você pela eternidade ao meu lado.
enquanto a caneta é o par do papel
não sou o seu herói
somos o par
entre o divino e o profano.
meu amor,
é por isso que escrevo.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

quando o vício da mentira domina

ora ou outra fico observando alguns mentirosos, não me assustam, não me irritam e nem me entristecem. acho até engraçado. pior. quase sempre ruins atores. ruins atrizes. o mentiroso tem o péssimo hábito de subjugar a inteligência dos outros. contam suas sugestas (lorotas) e que não convencem. minha vizinha pula a cerca. não tenho nada com isso e acho engraçado as desculpas pro marido. a síndica do meu prédio é mãe de muitas sugestas e chega a pensar que vamos acreditar. oras bolas...gosto de observar. calado e rindo. é de fato o comportamento do vício. assim como os viciados em drogas tem as suas necessidades, mentem. ninguém acredita. nem eles. mas precisam mentir.

terça-feira, 31 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

salvação

as vezes eu queria ser zé-povinho
ouvir funk, pagode e axé
gostar de falar da vida alheia
assistir big brother
achar lindo e usar a cueca acima da calça
e os cabelos do saco todo a mostra
com a bunda de fora.
mas quis o destino que nem bunda eu tivesse.
ou seja
nasci pra ser mala.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Atrito

Amigos, o nosso livro ATRITO.
Adquira o seu exemplar.

ISBN: 978-85-64471-01-6
96 páginas
Editora Catrumano
R$ 20,00 (frete grátis)

terça-feira, 15 de março de 2011

bilhete para vencer o suicídio

face
faca
a ponta nos olhos
hematoma na lâmina.
há faca entre dentes
há uma rosa amarela na mão
entre cerrados e serrotes
trincheiras
e anunciações
não pare antes
nem depois
da ponte.

harmoniosamente
a canção da paz.
_vai rolar bundalele lá no meu apê.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

acordos

as putas
negociam as bucetas.
os putos
negociam a nação.
Deus, dê vida longas as putas
e, transforme brasília em sal.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

dia a dia

               para marcus viana

a caneta largada
o corpo tombado
cedem ao cansaço da alma
num labirinto de bandeiras.
há chinelos gastos
couro abatido
cerzido
porque não se remenda sonhos.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

o alma nua

[a igor xavier, eterna presença em minha essência]


enquanto la fora
as buzinas ditam os ritmos dos passos e,
nenhuma flor sob o asfalto é observada
fico aqui
contemplado com as cores do amor
e sua deliciosa alma nua.



video

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

vagabundamente

                                     para ju rodrigues


sem muita pressa
nessa avenida de descompassos
zig-zag em calçadas tão largas
tantas cores e todos fuscos
há um velório em cada rosto.
adereços e adornos
vitrine na pele
e
discursos vazios
de gente bamba
por isso sou gauche.
vagabundamente imortal.
distante dos alvos. e das culpas.
o que me prende
são apenas as moças de vestidos floridos
estampados como diz dona tereza.
não há números não há cifras
o que me apetece
são os sorrisos
e vagabundamente os gozos.
sou torto
sem chances
assim como desentortar o meu pau
não há chances.
caminhando pela avenida paulista
lá vai o vagabundo.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

remendos

essa linha invisível
costurando o meu corpo
tentativa vã
de fazer cicatrizar
as feridas do coração.
invisível na carne
latente na alma.

gemidos contidos no silêncio
soluços parceiros da poesia.
overdose de caos
a lâmina me chama.

sábado, 15 de janeiro de 2011

espera

a insônia é o grito da alma
quando há solidão.

travesseiro

                               [para lobão]

há 01 poeta
construindo versos
buscando o seu amor.
há 01 poeta
jogando pedras
quebrando vidraças.
há 01 poeta
desatando nós
construindo pontes.
há 01 poeta
errante
em direção ao sol.
há 01 poeta
em algum canto
procurando o seu canto.
há 01 poeta
entre a ira e o pranto
buscando o encontro.
há 01 poeta
puto
triste
que não se encontra.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

por ora, solteiro. oras. bolas

sem susto
e nenhum medo punk
balanço a mão
num desses cruzamentos de são paulo
chamando sua atenção.
ora meu amor
como te encontar se você nem está aqui?
volto para minas.
minas está mais perto de mim.