sábado, 22 de julho de 2017

caminhares


são paulo me come; me ensina também
(para minha filha ana victória)


tenho por são paulo uma tremenda gratidão. me trouxe oportunidades e muitos momentos bons que estarão comigo independente de onde eu esteja. me oportunizou em ampliar meu leque de amigos maravilhosos e, quase todos, de outros sertões desse brasil e que aqui também buscam oportunidades. são paulo me ensinou a respirar depois de muitos anos de angústias nessa cidade de muitos habitantes e poucos humanos. com são paulo e em são paulo, aprendi que tenho que dedicar o meu tempo com pessoas que fazem questão de mim, que queiram dividir comigo o instante de um abraço. com são paulo e em são paulo aprendi que o meu tempo é curto e necessito seguir sem armazenar mágoas e rancores causados por pessoas ocas pois com esse tempo perdido, pessoas inteiras de almas e valores passarão ao meu lado e cego por sentimentos pequenos, não perceberei. com são paulo e em são paulo aprendi que caminhar é preciso e sempre olhando pra frente pois, o tempo que perco olhando para trás é tempo suficiente para eu perder os sorrisos de quem caminha comigo. com são paulo e em são paulo aprendi que dona tereza tinha razão que as pessoas podem mudar. eu mudei. eu melhorei como ser divino em essência. que se trata apenas de querer. com são paulo e em são paulo aprendi que eu sou as minhas escolhas e a outra pessoa, suas escolhas. o importante é que eu me deite e acorde com a consciência em estado completo de paz. com são paulo e em são paulo eu aprendi que o problema da minha tristeza aqui não era são paulo e sim, caminhar sozinho.


eu nasci para ser par e plural

domingo, 25 de junho de 2017

sábado, 22 de abril de 2017

solidânsia


eu não tenho preconceito com rivotril como a maioria das pessoas. eu tenho asco é de gente hipócrita, vulgar, promíscua, oca e sem escrúpulos. com rivotril eu tenho uma grande sensação de paz mesmo que por tempo determinado. a minha tristeza dá um tempo, a minha solidão descansa por algum tempo e até esqueço que vivo sozinho numa cidade com mais de 11 milhões de habitantes. quando eu tomo rivotril, aquela moça vem preencher o lado vazio da cama. quando não tomo rivotril, e não tomo à muito tempo, o que existe em mim é só solidão...

sexta-feira, 14 de abril de 2017

revoada

entre a massa
sem massa
cinzentas nuvens agouram o sol
enquanto o poema vence o cinismo
vil contracheque
tão ou mais sujo
que as varas dos chiqueiros
enquanto o poema vence as escrotices
passado, presente e futuro;
no poema não tem ratos
dissimula o lamaçal
enquanto o poema é maior que todos os males
dissimula o lamaçal
enquanto o poema é maior que todos os males

sexta-feira, 3 de março de 2017

aperto


a tristeza que há em mim
não é pelo que perdi,
nem tão pouco por aquela pele negra 
que me fazia tão bem,
minha tristeza é acordar 
todos os dias
sozinho
e tão distante dos amigos
que estão lá em minas
me recolho/encolho agora
para me expandir amanhã