quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

ponto P

na curva do poema
existe um outro poema sem explicação
descompassos de respirações
fôlego tropeçando sobre letras
dois tombados, felizes
ela no poema do “A”
ele no poema do “01”
repetidamente

três anos depois
ainda não entendi aquela performance
apenas sei que foi poesia