sábado, 21 de março de 2015

para paulo sérgio

não serei o seu herói
assim como não fui herói de ninguém
aliás,
nunca fui porra nenhuma
o desenho que caminha, e me deixa triste
esse adeus que teima em se  aproximar.

é claro que te amo
só assim
consigo viver nesse curral de concreto
existo nesse seu beijo
onde me acabo

sempre que retorno a montes claros
um neto torto

um avô completamente torto
poeta sem salvação.
apenas lembre-se,
poderá me encontrar, sempre
nas linhas tortas e nas palavras perdidas