sábado, 12 de março de 2016

interrogação

em minhas esquinas
os vultos que antes surgiam vez ou outra
não mais me apetecem
o meu relógio não repete horas
ansiosos os meus olhos divergem
ora um ora outro
sem saber quem é aquela pessoa da esquina
que tinha pele negra, mãos macias
com quem me casei na igreja dos morrinhos
diante uma pequena flor amarela