terça-feira, 23 de agosto de 2016

apetecimento


me apetece o que me promove para a eternidade...

o contracheque fica. o carro fica. os títulos ficam. os bens nenhum irão junto. as conversas rasas serão esquecidas. as superficialidades também se apagarão. todos os que acompanham nesses momentos ocos serão os primeiros a abandonarem o navio durante as tempestades. farei 40 anos. meia dúzia de amigos na essência. meia dúzia de filhos. toda uma solidão, fruto dos meus tiros no escuro e que acertaram os meus pés. tenho dois relógios.

um relógio que conta o tempo regressivamente. o outro relógio, progressivamente. infelizmente e em decorrência das minhas ansiedades, neuroses e tantos medos, me ative até hoje apenas ao relógio regressivo. era o tal medo de morrer e a sede de viver. fiz todas as merdas possíveis. era um prazer em cutucar feridas. era um gosto pelo suicídio mesmo com medo de morrer e querendo ser imortal. vá entender... construí as pontes mais erradas e achando que construía pontes para o futuro. numa sede sem limites acabei tendo concepção errada da felicidade, da completude e do próprio amor. reservei lealdade para quem no máximo, merecia um bom dia. dei secos "bom dia" para quem merecia toda a minha lealdade.

40 anos. o outro relógio.

esse plano tão passageiro não corresponde aos meus anseios. eu e os meus sapatos de bicos finos, rumo a tudo que vai contra o efêmero...