terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

werley somos amarelos

(para Werley Pirapora)

era o menino sentado na praça
olhar tão miúdo
de quem não queria nada.
era o menino ligeiro nos sonhos
nariz coçando e irritado
traçando planos
que nunca chegavam a lugar algum.
era o menino do interior
calado do sol ao luar
papel e caneta em sua mão esquerda
olha o bobo olha o bobo
ninguém a entender nada.
era só um menino invisível dos pés a cabeça
montado sobre um enorme cavalo de plástico
ouvindo belchior.
amarelo era a cor da sua calça
e das suas meias.