sexta-feira, 11 de julho de 2014

são paulo meu amor

aqui a gente não dança
a gente rebola
aqui ninguém me ama, ninguém te ama
mas fingimos com toda maestria
aqui é fartura de transas, trepadas
e trepam o tempo todo
mas fazer amor é algo que não acontece
beijo na boca é,
lábios frios, língua sem vida
beijo numa garrafa pet
recém tirada do congelador
saudade
daquele beijo punk que dói até hoje
defunta,
não nasci para necrofilia