terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

dito & donAna

"quero acreditar
 que nestas pedras
 nascerão flores"


a noite chegando mansamente
a solidão batendo sem timidez alguma
a saudade que chega
não desses amores que tive.
seu dito e dona ana
lembranças doces e o remorso no peito
os olhos verdes de dona ana
casando em harmonia com as árvores.
seu dito arredio
ardente como a água que lambica
mas doce como garapa de cana.
tempos que não voltam
nem deve
mas sempre tão recente
como o cheiro dessas plantas.