segunda-feira, 24 de maio de 2010

rosas amarelas e beijos sem pudores

portas e janelas
abertas
queima o meu corpo seu
sobre o seu corpo meu
poesia longe de papéis
nenhuma folha amassada
apenas nossas roupas pelo chão
poesia na carne
carne pulsando poesia
poesia latejando desejos
queima-me-queima-te-queimo
cicatrizes que não existirão
apenas roupas espalhadas pelo chão.