sexta-feira, 24 de setembro de 2010

e outras vezes mais

[para valéria lins lima ragazza]

sem leite derramado
meu balde vazio ao alcance
constante dos meus pés
descompromissados
com todos e com os dias.
sem regras e cenas
sem acenos e bocas
apenas o olhar franzido descrente
de quem ainda não escreveu uma poesia.
as árvores
os filhos
os livros
e ainda mortal.
tum tun tum tun tum tun
nada reto mas ereto
se as portas se fecham
por hoje me basta as janelas abertas
beeeeeeerra gauche