terça-feira, 30 de novembro de 2010

vago

01 poeta cru
sem cartas na manga
sem esqueminhas para depois do expediente
apenas um olhar caído em direção ao cerrado
e a moça de rosa amarela na mão.