terça-feira, 2 de novembro de 2010

são paulo punk festival trash

[para rita câmara]

são paulo me come me devora me cospe
não deixa nenhum recado debaixo da porta.
são paulo não ler poesia punk com óleo de pequi
estraga tudo que trouxe na mala de rodinhas
o poeta e as poesias.
são paulo necrófila matando humanos
alimentando monstros
foda-se fodam-se fodam-me...
lema tema dilema
cabe tudo numa cachaça
são paulo é a puta que não me pariu
dona tereza é a santa padroeira de tudo.
sem jardins
sem janelas
sem olhares
so vale calcinhas e cuecas arriadas.
são paulo me matou em 1988
nem morri na primavera
nem morri de um gozo
são paulo é foda.
são paulo não vai ao sertão
são paulo não leu poesia x
são paulo existe nas escadas dos shoppings
e nas vielas dos cinemas.
são paulo não tem tempo
são paulo não tem gente
so teatros e conveniências...