terça-feira, 30 de novembro de 2010

a procura

sem pausa e paradas
sem tempo para o café
o asfalto é longo
em algum ponto ela me espera.
desconheço a sua cor
ou a cor de seus olhos
há uma pintura em meus olhos
de seus valores resistentes.
resistindo
aos tempos do modismo
e não uma "dessa" vai com as outras.

2 comentários:

  1. LINDO DEMAIS...ADORO TEUS POEMAS...

    ResponderExcluir
  2. Me surpreendo a cada verso lido!
    Parabéns!
    Vou copiar para minha página do orkut,tudo bem?

    ResponderExcluir